Poema Visual – 10 Exemplos com Significados

Poema Visual – 10 Exemplos com Significados

O poema visual é uma forma de poesia que se baseia na interação com elementos visuais. É a junção entre a expressão literária (o texto do poema) e as artes visuais (a imagem formada por meio das palavras). Conheça abaixo 10 poemas visuais com a interpretação.

Lixo, luxo, de Augusto de Campos

Poema Visual

O poema “Lixo, luxo” do poeta brasileiro Augusto de Campos, foi lançado no ano de 1966. Essa obra se destaca pela sua abordagem única e provocativa, onde o autor propõe uma reflexão sobre as questões sociais e culturais que permeiam a nossa sociedade contemporânea. A partir do contraste entre os conceitos de lixo e luxo, Augusto de Campos nos convida a repensar as nossas percepções sobre o que é considerado valioso e descartável. Ao mesclar imagens e palavras, o poeta evidencia a fragilidade das nossas noções de beleza e valor, questionando os padrões estabelecidos pela sociedade.

Sem arrependimento, de Fábio Bahia

Poema Visual

O poema “Sem Arrependimentos”, de Fábio Bahia, foi lançado no ano de 2018. Esse poema ressoa a ideia de que cada decisão, por mais difícil que seja, é parte fundamental do percurso individual, contribuindo para a construção da identidade e o crescimento pessoal. O autor explora a liberdade de seguir adiante sem o peso de arrependimentos passados, enaltecendo a coragem de assumir as consequências de nossas ações.

O ovo, de Símias de Rodes

Poema Visual

O poema “O ovo” foi escrito por volta de 325 a.C., é uma das obras mais icônicas do filósofo grego Símias de Rodes. Considerado um dos precursores da filosofia moderna. Símias aborda de forma poética e simbólica questões profundas sobre a natureza da existência humana. No poema, o autor utiliza a metáfora do ovo para representar a essência da vida e a dualidade presente em nosso ser. O ovo, sendo um símbolo de fertilidade e renascimento, torna-se assim uma metáfora perfeita para as reflexões do autor sobre a condição humana.

Amazona, de Almada Negreiros

Poema Visual

O poema “Amazona” de Almada Negreiros, lançado em 1917, é uma representação poderosa da feminilidade e da capacidade de superação. A figura da amazona, montada em seu cavalo, transmite uma sensação de liberdade e coragem, simbolizando a luta constante da mulher por igualdade e independência. O poema Amazona apresenta um ritmo acelerado e intenso, como se a própria Amazona estivesse em constante movimento e luta. Almada Negreiros utiliza diversos recursos poéticos, como aliterações, metáforas e simbolismo para retratar a bravura e coragem desta guerreira.

Xícara, de Fábio Sexugi

Poema Visual

O poema “Xícara”, de Fábio Sexugi, lançado em 2010, é uma obra que se destaca pela sua capacidade de transmitir sentimentos e emoções de forma sutil e delicada. Com um estilo poético que combina simplicidade e profundidade, o autor consegue provocar reflexões sobre temas como a passagem do tempo, a fugacidade da vida e a beleza da existência. O autor nos leva a um universo simbólico que perpassa o simples ato de saborear uma xícara de café. A xícara, elemento central do poema, torna-se metáfora para o prazer de tomar um café quente em um dia frio, convidando-nos a desacelerar e apreciar os pequenos prazeres da vida.

Aranha, de Salette Tavares

Poema Visual

O poema “Aranha” de Salette Tavares foi lançado em 1964. Essa obra nos convida a refletir sobre a dualidade e a complexidade da natureza humana. Com uma linguagem poética intensa e simbólica, a autora nos conduz por um labirinto de emoções e significados, explorando o tema da teia que conecta todos os seres vivos. No poema, a autora aborda a ideia de que somos todos parte de uma teia invisível que nos conecta uns aos outros, mesmo que muitas vezes não tenhamos consciência disso. A aranha, com sua capacidade de tecer e desfazer teias, nos lembra da impermanência da vida e da constante mudança que nos cerca.

Beba Coca-Cola, de Décio Pignatari

O poema “Beba Coca-Cola”, de Décio Pignatari, Escrito em 1970, é uma obra que tem se destacado no cenário literário brasileiro. A repetição do verbo “beba” cria um efeito hipnótico, sugerindo a ideia de consumo e de imposição da marca. A presença da Coca-Cola como objeto central do poema remete à influência da publicidade e do consumismo na sociedade contemporânea. A escolha da Coca-Cola como tema do poema não é coincidência. A marca é um símbolo do capitalismo e da sociedade de consumo, sendo constantemente associada a valores como felicidade, juventude e sucesso.

In Vino Veritas, de Fábio Bahia

Poema Visual

In Vino Veritas” é um poema escrito por Fábio Bahia, lançado em 2019, que explora a antiga expressão latina que significa “no vinho, há verdade”. A obra de Bahia mergulha no universo dos vinhos, abordando não apenas a sua apreciação sensorial, mas também as reflexões mais profundas que a bebida pode despertar. O poema de Bahia abre espaço para uma reflexão sobre a relação entre a verdade e a embriaguez, explorando os efeitos que o vinho pode ter na liberação de pensamentos e sentimentos mais íntimos. Através de metáforas e imagens poéticas, o autor convida o leitor a embarcar em uma viagem sensorial e emocional, em que o vinho se torna não apenas uma bebida, mas também um meio para a expressão da verdade interior.

Velocidade, de Ronaldo Azeredo

Poema Visual

O poema “Velocidade” de Ronaldo Azeredo, lançado em 1958, é uma obra que retrata de forma profunda e poética a sensação de movimento e rapidez. O autor consegue transmitir a intensidade e a agitação do ritmo acelerado da vida moderna. Neste poema, Ronaldo Azeredo utiliza uma linguagem figurativa e metafórica para descrever a sensação de velocidade. Ele descreve o mundo como um lugar em constante movimento, onde as coisas acontecem rapidamente e sem pausas.

Rio: o ir, de Arnaldo Antunes

O poema “Rio: o ir”, de Arnaldo Antunes, lançado em 1960, foi escrito com um formato circular de um octógono e traz consigo uma profunda metáfora da vida. Ao criar esse movimento constante, o autor nos leva a refletir sobre a natureza cíclica e ininterrupta de nossas jornadas. A escolha do formato circular para a estrutura do poema sugere que a vida é um ciclo contínuo de experiências, desafios e transformações. Assim como o rio que flui constantemente, nós também estamos em constante movimento, rumo ao desconhecido. O octógono, por sua vez, simboliza a complexidade e a multiplicidade de caminhos que podemos seguir ao longo da nossa trajetória.

Venha conhecer  nosso Artigo sobre Fábulas Curtas. Clique Aqui

Compartilhar:

Comente o que achou:

Respostas de 5

  1. Olá, Tudo Português.
    Como autor de dois dos poemas selecionados, devo dizer que fiquei muito contente com a publicação deste artigo. A escolha dos poemas foi, modéstia à parte, primorosa, contemplando a ancestralidade, Modernismo e atualidade, mas principalmente quero parabenizar, a escrita do responsável pela análise dos poemas, produção que julgue pertinente, assertiva e perspicaz, um conteúdo muito apropriado ao que propõe a página.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pesquisar

Em destaque

  • All Post
  • Atividades
  • Recurso Pedagógico
  • Simulados
  • Simulados de Português para 1° ano do fundamental
  • Simulados de Português para 2° e 3° ano do fundamental
  • Simulados de Português para 4° e 5° ano
  • Simulados de Português para 6° e 7° ano
  • Simulados de Português para Ensino Médio
Edit Template

Sobre Nós

Fruto da experiência dos criadores do site Tudo Sala de Aula, oferecemos uma grande variedade de recursos para pais e professores, desde atividades e sequências didáticas até sugestões de aulas criativas e simulados.

Todos os Direitos Reservados a:

Educação Tudo Sala de Aula – LTDA

CNPJ: 43.911.949/0001-56

contato@tudoportugues.com